Como conseguir editora para meu livro?

Há alguns anos, eu estava batendo cabeça com essa pergunta. Afinal, quase todas as pessoas que escrevem querem ter seus escritos publicados.

Publicar um livro é mais do que uma oportunidade profissional; grande parte das vezes isso significa que seu trabalho foi validado, quem viram qualidade literária no que produz (digo grande parte das vezes porque as editoras nem sempre publicam boas ficções. Como empresas que precisam faturar, cada vez mais temos visto livros de celebridades que vendem muito, mas que quase nunca fazem literatura). E quem não quer a sensação de ter um trabalho aprovado?

Em 2011, quando estava na luta para publicar Freud, Me Tira Dessa!, fui à Bienal do Livro do Rio e rodei todos os estandes tentando conversar com os editores. Foi então que eu descobri que eles não costumam ficar por todo o evento, e que ali não era lugar para tentar emplacar um original. Mas valeu muito a pena para fazer alguns contatos, pegar cartões e conseguir algumas dicas valiosas sobre o mercado literário.

Anos mais tarde, depois de muito bater cabeça, já com livros publicados e algumas coisas aprendidas, incentivo quem deseja publicar a ir atrás do que se deseja. Afinal, ninguém saberá que você escreve se você não se mostrar, não é? Assim, elenquei alguns itens que pode ajudar.

  • Deixe seu original redondinho. Releia várias vezes, faça uma boa revisão gramatical e, sobretudo, uma boa checagem da história. Amarre as pontas, não deixe furos e incoerências, avalie o ritmo da narrativa. Uma coisa que eu costumo perceber em certas histórias é o final corrido. Organizá-la para que tenha cadência e uma quantidade de reviravoltas equilibrada no começo, meio e fim da obra, é fundamental.
  • Registre sua obra. Não que o mercado nacional seja enorme, voraz e ultracompetitivo, mas é bom se resguardar. O site da Biblioteca Nacional explica com detalhes como registrar sua obra. Não é caro e demora uns 40 dias para o seu registro chegar. Depois disso, comece a distribuir seu original.
  • Liste as editoras que publicam seu gênero. Não adianta publicar um livro de receitas para editoras que só publicam ficção. Comece com aquelas que publicam os livros dos autores que fazem a tipo de história que quer fazer.
  • Siga as diretrizes das editoras. Normalmente, os sites das editoras trazem a forma de envio de original. Algumas abrem seleção apenas uma vez ao ano, outras pedem envio de material on-line, outras recebem apenas impresso, alguns pedem book proposal e por aí vai.
  • Seja na versão pdf ou na impressa, o visual facilita a leitura. Escolha uma fonte, tamanho e uma formatação que estimule quem vai ler. Geralmente, na primeira página segue apenas o título da obra, na segunda o título e nome do autor, na terceira a sinopse e, então, a história.
  • Não deixe de colocar seus contatos. Parece óbvio, mas eu já recebi original assim. (Eu não recebo originais e como autora estou longe de influenciar editores, mas acabo recebendo algum material ou outro. Eu não leio para não influenciar a minha criação e não me trazer problemas jurídicos. E não me julgo apta a emitir opiniões. Já é difícil fazer uma autocrítica, imagine avaliar o trabalho alheio). Deixe seu telefone, e-mail e endereço na primeira página. No meu primeiro original, também deixei meu nome e e-mail no rodapé de cada página, junto com a numeração das páginas. Não dê chance ao azar, vai que o editor quer te publicar?
  • Faça uma boa sinopse. Não é só um resumo de quatro linhas, é um apanhado geral da história com spoilers, inclusive. Não precisa ir além de uma página e o texto deve mostrar do que se trata sua história. Isso vai fazer o editor (ou o leitor crítico contratado pela editora) sentir vontade de conhecer seu original. Aí já começa a avaliação.
  • A internet pode ajudar, ou não. Sempre dá para tentar uma abordagem via facebook de algum editor, mas ninguém é bobo. Quem quer ser incomodado por puxa-saco ou invasivo? Seja claro, direto e profissional. Se ele responder, ótimo; caso não, siga adiante. O editor tem todo direito de não tratar questões de trabalho no perfil pessoal.
  • Escolha a editora dos sonhos. Dê preferência a ela, visto que algumas pedem certa exclusividade nos originais. Espere uns três meses ou o tempo pedido até enviar algum e-mail perguntando sobre o original. Caso a resposta não venha ou venha uma negativa, mande para as outras. Nada de desistir.
  • O mercado nacional é pequeno. A pessoa com a qual você brigou hoje, pode ser o editor do selo onde quer publicar amanhã. Além disso, manter um perfil na internet interessante vale muito a pena, já que estamos num contexto onde a imagem conta muito. (E todo mundo fuça o perfil alheio.)

Acredito que essas sejam algumas informações básicas e bem úteis para quem não tem nenhum conhecido ou contato com o meio (assim como eu quando comecei). Parece complicado, mas não é. Com talento, dedicação e persistência dá para chegar lá!

Tratarei mais detalhes e pontos como contratos, agente literário, publicação independente e formas de divulgação num curso aqui em BH.

folder laura

Espero ter ajudado. Qualquer dúvida, deixe seu recado nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *